Páginas

sexta-feira, 2 de dezembro de 2016



Uma amiga minha decidiu recomendar-me a série "Scandal", sabendo o quanto amo "How to Get Away With Murder".... 'É ainda melhor, vais ver!', disse-me ela.

E bem, estou viciadissima.

quinta-feira, 24 de novembro de 2016

sexta-feira, 18 de novembro de 2016

7 livros que quero este Natal


A avaliar pela data de iluminações nos centros comerciais, eu diria que começou a época Natalicia.

E claro, o que é uma época Natalicia sem listinhas de Natal?

Este ano parece que amigos e familiares vão mesmo dar-me livrinhos, depois de eu os chatear imenso, por isso esta pode ser a primeira lista e depois vir outra mas por enquanto, estou mortinhaaaa por teres estes livrinhos!


“A Court of Mist and Fury”, Sarah J. Maas 
 
Este livro ainda não saiu em Portugal mas eu estou tãoooo entusiasmada para o ler!!! Devorei o primeiro (opinião aqui) e como o li em inglês e até gostei, não me importo mesmo nada, nada de ler este segundo também em inglês.  Considerei ler em ebook, mas como adoro mesmo esta série quero tê-la em papel!



“O Grande Amor da Minha Vida: O Cavaleiro de Bronze”, Paullina Simmons  

A minha obsessão com esta série do Cavaleiro de Bronze já não é segredo para ninguém! Mas amo tanto mas tanto que decidi que quero  ter esta coleção em formato fisico e em português, visto eu ter lido a trilogia em inglês. Sei que ainda falta sair um volume da coleção cá em Portugal, mas como o primeiro livro é o meu favorito, ficamo-nos por este neste Natal.


“A Torch Against The Night”, Sabaa Tahir

Ainda há pouquinho tempo vos contei como adorei ler o "Uma  Chama Entre as Cinzas", o primeiro volume desta trilogia (acho que será trilogia) e estou ansiosa para saber mais sobre o Elias, a Helene e a Laia. Muitas questões ficaram por responder, por isso espero ter este presentinho no sapatinho para matar a curiosidade. 


  
“Tudo, Tudo e Nós”, Nicola Yoon

Muita gente fala deste livro e para ser sincera, eu sou apaixonada pela capa dele. Ja o folheei em visitas à Fnac e fico sempre com vontade de o trazer. Não sei bem sobre o que é ou se vou gostar sequer, mas como é Natal e ninguém leva a mal, aqui está na lista.

“Só Nós Dois”, Nicholas Sparks

Acho que este nome fala por si só. Ou não fosse eu mega viciada em ler tudo o que o Sparks escreve.

 

“A Amiga Genial”, Elena Ferrante 

Eu já comecei a ler este livro num dia que estava na Fnac a fazer tempo e nem achei assim tão interessante mas todos dizem que estes livros são o máximo e que o inicio é chatinho mas depois de torna mesmo bom, por isso olha, se não tiverem mais que me oferecer... podem contar com a amiga Elena. 


“Confesso”, Colleen Hoover

Eu fico sempre um bocadinho em dúvida no que concerne a Colleen Hoover porque tanto adoro os livros dela como os detesto, por isso colocar este na minha lista é um risco. Mas bom, aqui está. Ouvi dizer que ainda por cima mexe com arte e essas coisas que eu gosto, por isso espero que seja um bom sinal. 

E por ai, quais são os livros que fazem parte da vossa listinha?

quinta-feira, 17 de novembro de 2016

Primeiras Linhas #9: Throne of Glass // O Trono de Vidro

Depois de ter lido o "A Court of Thorns and Roses" da Sarah J. Maas e de estar ansiosa por ler o segundo volume dessa saga (esperando recebe-lo no Natal, just sayinnnn'), decidi que tinha mesmo que correr a obra toda da Sarah J. Maas e por isso peguei logo neste "Trono de Vidro", publicado cá em Portugal pela Marcador.

Como sabem, eu não leio sumários antes de ler os livros por isso ainda não percebi muito beeeem sobre o que este livro trata, visto que ainda vou só na página 40, mas pelo que já li acho que esta história se vai centrar na super assassina profissional Celaena Sardothien, que vive em Andarlan (acho que é este o nome, mas aguentem com esta avózinha que se esquece de todos os nomes em 5 segundos) e que foi "contratada" (more like tirada da choldra) para ser a campeã do Rei lá de Andarlan e vai participar num torneio com outros assassinos e se ela ganhar, ganha a sua liberdade para todo o sempre.

Depois entra o Principe Dorian na mistura que tenho quase, quase a certeza que vai ter um caso com a Celaena, apesar de eu ser mesmo mega hard shipper de Celaena + Chaol (mas também só vou nas primeiras 40 páginas!!!).

Até agora, não estou a ver o que é que neste livro é WOW WOW WOW e porque é que toda a gente adora esta saga. Para além do sentido de humor da Celaena, super irónica e sem papas na língua que eu adoro, ainda mais nada na história me chamou a atenção e para ser franca, em algumas das viagens que fiz de comboio depois de ter começado a ler este livro prefiri ir a olhar para o ar em vez de continuar a história, mas talvez precise só de um empurrãozinho e de ler mais algumas páginas até entrar na história.

Vamos lá ver o que sai daqui!!
Se já leram este livro e me quiserem deixar palavras de incentivo, façam esse favor que beeem preciso!

segunda-feira, 14 de novembro de 2016

Opiniões #11: An Ember in The Ashes // Uma Chama Entre as Cinzas

Título: Uma Chama Entre Cinzas
Autor: Sabaa Tahir
Páginas / Ano: 446 / 2015
Descrição aqui

Para ser bem, bem sincera, eu já acabei de ler este livro no inicio da semana passada mas com o trabalho e tudo mais, não tenho tido tempo de escrever no blog a não ser aos fins de semana (posts planeados rule!!!) mas desde então tenho andado maluquinha para vos contar coisinhas sobre este livro!

Então, como sabem no inicio estava assim um bocado apreensiva com este livro. Muitos nomes estranhos (sempre o meu maior problema nas distopias, visto que não decoro metade dos nomes e ando sempre um bocado à toa na história) e aquele plotzinho fácil que já se viu montes de vezes: rapaz na facção má mas com vontade de ser bom e rapariga mega rebelde que se vai encontrar com o rapaz para salvar o mundo.

Depois lá me fui embrenhando na história, e....bolas! Gostei mesmo disto, sabem? Eu cá me cheira que tenho que começar a ler mais distopias...não gosto, não gosto mas andei doidona em busca do ebook do 2º livro desta trilogia! [Presença, para quando a publicação da "Torch Against The Night?"]

A bem dizer, adorei a personagem do Elias, muito mais do que qualquer outra, e aquele triangulozinho amoroso deixou-me mesmo KO.... admito que possa ter sussurrado em alguns momentos "façam um trio!!!!" mas acho que a Helene não ia nessas cantigas.

Talvez seja melhor colocar aqui um letreiro de SPOILER para vos dizer que uma das minhas partes favoritas, e a parte que mais me partiu o coração, foi quando o Zak confessa que pretendia deixar o irmão mas que não existia sem ele (coloco a citação aqui):
We’ve been together for so long.” Zak shakes his head. His face is unreadable where the mask hasn’t yet melded. “I don’t know who I am without him.”

E igualmente quando o Marcus confessa o que sente pelo irmão, bem no final. Quem já leu este livro saberá a que momento me estou a referir, porque realmente é aquele momento da história que os vemos como humanos em vez de só como Máscaras. Pelo menos aconteceu-me isso a mim.

Já o contrário acontece com a Helene, que sempre a vi como humana nas suas interações com o Elias mas subitamente fica parva e fica toda de seguir as regras e tal. Para mim esta personagem é um bocadinho incongruente: logo no inicio do livro, vemos que é uma personagem que põe as regras de Blackcliff acima de tudo mas com o desenrolar ela quebra-as sem grande esforço ou pesar. Tudo bem, se calhar ela é motivada por amor...mas é mesmo? Ela curaria mesmo a Laia por amor??? Na minha opinião não, até porque a vi (vimos???) bem violenta quando ficou com ciúmes do Elias, o que me leva a pensar que o amor que ela sente pelo Elias a deixa irracional, tanto para o bem como para o mal. Mas pronto.

Sinceramente, acho que a Helene tem um bom coração e que é movida, sim, pela humanidade que existe dentro de si e que não foi quebrada com todas as regras. Ela curou a Laia porque não podia deixá-la morrer e não a matou por esse mesmo motivo. 

O mais irónico é que mesmo que a personagem da Helene não me tenha convencido eu continuo a achar que Helene + Elias é que era!!!! Vamos ver o que o segundo livro nos reserva, estou super ansiosaaaa!



Assim a única coisa que realmente me incomodou, neste livro em particular mas nas distopias em geral, é a quantidade de violência que tem que existir. Porque é que todos os livros deste tipo têm que conter sempre cenas de tortura e maldade extrema? Não pode existir uma distopia softzinha? Temos que andar sempre todos à pancada? Sei lá, chateia-me um bocadinho a contínua tortura que a Keris exercia nas criadas e aqueles Trials eram do mais grotesco possível.  E a Helene ainda acha que se tem que viver assim??

(Sim, pronto, ficou um odiozinho à Helene, mas só porque sei que ela tem bom coração e está, provavelmente, só a ser tótó).

Mas também tenho muitas questões que este livro não respondeu. Tipo... e  Darin???? TINHAM QUE O LIBERTAR AGORAAAA. Aliás, não foi esse o objectivo de todo o livro? Libertarem o rapaz? E depois no final, já não interessou libertar... não podiamos ter mais 100 páginas e chegar ao Darin?  E tipo... A Cook quem é??? E aquele talento da Helene??? E como é que nascem os Augurs?? E aquela criaturas todas mágicas cujo nome já esqueci existem ou não??? E o Nightbringer??? Não faz nada???

Questões, questões.

Aproveito também para enfatizar a coisa mais creepy deste livro: as máscaras! Socorro, só de imaginar caras cobertas por algum material que se molda ao rosto e nunca mais sai, até me dá um ataquezinho de pânico.

E assim concluo esta opinião com o maior desejo de que a Presença lance o segundo livro desta trilogia a tempo de me cair no sapatinho.
E para citação favorita, escolho:
"Existem dois tipos de culpa. Aquele que é um fardo e aquele que te dá um propósito. Deixa que a culpa seja o teu combustível. Deixa que ela te lembre de quem queres ser. Traça uma linha na tua mente e nunca mais a ultrapasses. Tens uma alma. Ela foi ferida, mas está aí. Não deixes que ta tirem."

Mais sobre "Uma Chama Entre Cinzas":
Primeira Opinião

quinta-feira, 10 de novembro de 2016

10 citações de "It Ends With Us"


Quem já leu o post de opinião que fiz do livro "It Ends With Us" da amiga Colleen Hoover já sabe que este livro me deixou mesmo banzada, de tal modo que mal consegui escolher uma frase favorita porque a escrita de
ste livro é mesmo deliciosa.

Então vamos lá, as 10 citações que mais gostei de um livro que me deixou assim....fragilizada:
(eu sei, eu sei...estão todas em inglês mas nós por cá somos muito internacionais e este livro ainda não saiu por estes lados. Lágrimas).



1


“In the future... if by some miracle you ever find yourself in the position to fall in love again... fall in love with me.”


2


“I feel like everyone fakes who they really are, when deep down we're all equal amounts of screwed up. Some of us are just better at hiding it than others.”


3


“I’ll keep pretending to swim, when really all I’m doing is floating. Barely keeping my head above water.”


4


“Sometimes even grown women need their mother’s comfort so we can just take a break from having to be strong all the time.”


5


“Maybe love isn’t something that comes full circle. It just ebbs and flows, in and out, just like the people in our lives.”


6


“That’s what fifteen minutes can do to a person. It can destroy them. It can save them.”


7


“But then this morning I had to tell him goodbye. And he held me and kissed me so much, I thought I might die if he let go.But I didn't die. Because he let go and here I am. Still living. Still breathing.Just barely.”


8


“Just because someone hurts you doesn’t mean you can simply stop loving them. It’s not a person’s actions that hurt the most. It’s the love. If there was no love attached to the action, the pain would be a little easier to bear.”


9


“All humans make mistakes. What determines our character is whether we turn those mistakes into excuses or lessons.”


10


“It stops here. With me and you. It ends with us.”



E aí, têm aquela citação preferida?

Mais sobre "It Ends With Us":
Opinião Final

terça-feira, 8 de novembro de 2016

Primeiras Linhas#8: An Ember in the Ashes // Uma Chama Entre Cinzas

Já tinha ouvido falar imenso deste livro da Sabaa Tahir e pois que decidi pegar nele, ainda que, em geral, me tenda a afastar um bocadinho de distopias e tudo o que seja mais fantástico por achar que todos os livros se parecem uns com os outros. Como já li os Jogos da Fome e os Divergentes desta vida, achei que não precisava de ler mais nenhum.

Mas depois li "Uma Corte de Rosas e Espinhos" e amei. E por isso claro, dei uma hipótese ao "Uma Chama Entre as Cinzas" [Em Portugal este livro foi publicado pela Presença!]

No início não estava a achar grande piada e achava que o Elias era mais um Four e a Laia era mais uma Tris, mas depois fui-me apercebendo que não era bem assim. Houve coisas que consegui prever, como a Comandante ser mãe do Elias mas houve outras que me apanharam totalmente de surpresa e depois de ler algumas páginas, já não conseguia pousar o livro.

Apesar de ter decidido que queria fazer este livro durar (aliás, logo na primeira viagem de metro decidi-me a ler apenas 20 páginas por viagem, ou seja, 40 por dia), tive a magnifica ideia (notem a ironia) de fazer as 200 atualizações no meu pc ontem e pimbas, vai de ler.....Vou na página 240 e sinto que a história vai agora mesmo descolar.

Adoro o facto de a Laia não ser a heroína super corajosa que faz tudo e mais alguma coisa mas sim uma rapariga que se limita a sobreviver para poder salvar o irmão e como é óbvio, gosto imensoooo da Helene, apesar de ela ser um bocado parvita de vez em quando mas pronto, não é suposto os personagens serem perfeitos e algum defeito a rapariga tinha que ter. Estás desculpada, Leninha (por enquanto, claro, se a coisa não piorar!).


O Elias é um bocado Four de Divergente, mas mais fixe e menos chorão. Gosto de o imaginar como o Bob Morley, nem sei bem porquê, mas acho que se alguma vez este livro se tornar filme (por favorrrr, vamos fazer isto!!!!) tem que ser o Bob a fazer de Elias!!!! Tomei a liberdade de deixar aqui um gifzinho do Bob em The 100, a fazer de Bellamy, para todos podermos concordar com o potencial de ele fazer de Elias!

Aproveito e proponho, também, que a Nathalie Emmanuel faça de Laia e que a gira da Portia Doubleday (Angela em Mr.Robot) seja a badass da Helene. Acho que ia ficar um trio bem formoso!

E pronto, por enquanto não tenho assim mais nada a acrescentar, tirando que a parvalhona da Comandante (a Keris????) é tal qual a vilã de Divergente mas miiiiiil vezes pior. A sério. Eu kind of tenho que passar à frente as linhas sobre a tortura :/ e é esse o ponto que menos gosto até aqui. Já agora apelo a todos os deuses literários, para não matarem a Izzie, siiiim?

Vamos lá ver. 

domingo, 6 de novembro de 2016

quarta-feira, 2 de novembro de 2016

Opiniões #10: It Ends With Us


Título: It Ends With Us
Autor: Colleen Hoover
Páginas / Ano: 367 / 2016
Descrição aqui

Antes de mais, aplausos, consegui chegar às 10 reviews!!!! (Sim, isto é um feito para uma procrastinadora como eu. Dancem comigo, vá!).

Em segundo lugar, acho que a minha 10ª review não podia estar melhor entregue do que a este livro, It Ends With Us, que li durante esta primeira semaninha de trabalho e que, para vos ser franca, adorei. Queria ter escrito as primeiras impressões mas chegar a casa perto das 20h todos os dias e com o entusiasmo de ler mais, não deu. Até que este sábado decidi que tinha mesmo que saber o final e assim foi.

Chorei tanto, posso-vos dizer.

('Então, Cat, mas não eras tu que não choravas com livros?'....sim, filhinhos, mas aguentem comigo que este livro deixou-me muito sensível).


Começo assim já por falar nesta capa linda, linda, lindaaaa. Eu até sinto que escolhi o livro pela capa porque entrei na história sem saber nada de nada. Como já devem ter reparado eu tenho uma relação amor-ódio com a Dona Colleen porque amei o Ugly Love ('Amor Cruel' por estes lados, publicado pela Topseller) mas detestei e nem acabei de ler Slammed (nem sei como se chama por cá mas não vale a pena dizer porque não desejo este livro ao meu pior inimigo).

Entrei neste livro meio em dúvida, incerta de se iria gostar ou não e indagando-me porque raio é que este livro se chamava "It Ends With Us".... mas que raio é que acaba connosco, Colleen?? E acreditam que até ao final, até perto da última frase que não descobri??? Fiquei tão inebriada pela história e tão ceguinha pelas personagens e pela dor da Lily e talvez pronto, pelas lágrimas que iam caindo, que não me apercebi até a Lily quase explicar? LINDO. Ainda agora que me recordo dessa passagem fico com pele de galinha.

(Avisei-vos que tinha ficado fragilizada!!!)

Este livro conta a história dos pais da Lily mas sobretudo da Lily, do Ryle e do Atlas num dos melhores triângulos amorosos que eu já li, feito de uma forma tão sublime e inteligente que uma pessoa só depois de matutar é que percebe que fica dividida entre os dois. Sim, eu fiquei dividida entre o Ryle porque não importa o que ele faça, eu senti-me exactamente como a Lily: perdida, confusa e a pensar 'bolas, mas vocês gostam tanto um do outro!!'.... e tal como a Lily, também sempre pensei que nada desculpava certas acções e que quem fica, a vitima, é que é parva. [estou a ser meio vaga porque não quero spoilar!!!!]


Acho que foi por isso que este livro me bateu tão forte, porque a mensagem foi tão bem passada e foi um livro que nos pegou na mão e caminhou connosco e nos mostrou em vez de nos dizer. Ainda bem que estava em casa, sozinha, quando acabei de ler o livro porque chorei mesmo muito.

Além da história estar boa a valer, a escrita é uma coisa deliciosa com passagens fantásticas (sim, vou fazer um post das melhores citações porque só uma não consigo escolher!) e as personagens são reais, podem ser nossos amigos, nossos familiares, nossos pais, até.

É um livro tão, mas tão mas tão importante de ser lido por todas as raparigas jovens, por todas as vitimas de algum tipo de abuso ou por quem acha, como eu achava, que as coisas são pretas e brancas, que ou se portam bem ou se põem a andar. Por favor, leiam este livro!!! Acreditem, vai mudar a vossa forma de encarar as coisas.

São muitas as minhas citações favoritas, mas deixo-vos com esta:
 "There is no such thing as bad people. We’re all just people who sometimes do bad things."

domingo, 30 de outubro de 2016

She's Got Diamonds


(my two loves, Paul Simon & Passenger)

sábado, 15 de outubro de 2016

Saturday 4 Shows: Séries da nossa infância

.....ou uma viagem nostálgica que nos vai deixar em estado frágil.

Pois é, do alto dos meus mui velhos 24 anos já tenho muitas saudades dos dias em que nada fazia a não ser ver TV e comer Oreos (sem me preocupar com os kilos que ia ganhar), de pijama e em posições estranhas (agora não dá, que isto das dores nas cruzes e dos músculos presos é uma coisa que já ataca pessoas idosas de 24 anos); dos dias em que a escola acabava às 3 da tarde e se ficava a brincar até começarem a dar as novelas que gostávamos (rip Morangos com Açúcar com a Joana e o Pipo, quem se lembra?); dos dias em que não tínhamos que combinar as calças com a blusa e qualquer coisinha servia.

Bem, mas vamos voltar ao que víamos nesses dias. Lembro-me de que na altura via algumas séries com a minha irmã, que passavam de tarde, antes de irmos andar de bicicleta ou brincar com os vizinhos. Que saudosas séries!

Assim de repente, estas são as 4 que me vêem à memória:

1. Dawson's Creek


Pouco me lembro da trama desta série mas recordo que a via nas tardes de Verão e que torcia muito para a Joey ficar com o Dawson.
(E paremos um minutinho para apreciar este trailer da década passada.... grande vídeo!)


2. Marés Vivas


Acho que as Marés Vivas atravessaram várias gerações e todos temos uma memória diferente desta série. Na minha inocência de criança, eu gostava mesmo de ver os salvamentos e vibrava com o drama todo, mesmo que os adultos vibrassem com outras coisas (coff, Pamela Anderson, coff).

3. LOST


 A L. descreve-me esta série como "aquela que todos começamos mas ninguém acabou" e como é verdade! Lembro-me de ao fim de semana assistir esta série na RTP1,  provavelmente em vez de estar a estudar, mas de ir apanhando episódios ao calhas. Na verdade, esta lista fez com que eu a fosse pesquisar e aqui vou eu, na corrida para ver as 8 temporadas, e quase, quase a acabar a primeira!

4. Flashforward



O youtube diz-me que esta série deu em 2010 mas eu tenho quase a certeza que está a mentir porque parece-me tãooooo mais antiga! Era das minhas séries favoritas mas conheceu aquele destino fatídico que as melhores séries conhecem: foi cancelada.

Quais eram as vossas séries de infância?? Viam alguma destas?
Deixem ai as vossas memórias na caixa dos comentários e preparem já o vosso top da semana que vem: as 4 séries desconhecidas que todos deviam conhecer [e que são assim tudo de bom]

quinta-feira, 13 de outubro de 2016

Primeiras Linhas #7: As Flores de Lótus


Este livro deixa-me exciiiiiited!

Na semana passada, ia a passar na estante e vi este "Flores de Lótus" de José Rodrigues dos Santos lá estacionado e peguei logo nele. Era um livro que já queria ler à algum tempo porque trata de temas da 1º Guerra Mundial e das mudanças políticas e económicas do século XX, e como é uma época histórica que gosto muito, fiquei mesmo com vontade de o ler assim que saiu, mas o tempo foi passando e outros livros passaram pelos meus olhos primeiro, até chegar o momento em que decidi que ia mesmo pegar neste livro.

De momento, estou na página 150 e apesar de o livro ser sobre 4 famílias (chinesa, japonesa, russa e portuguesa) por enquanto ainda só foram apresentadas duas: os Teixeira e os Satake.

Até agora estou a gostar bastante e a sentir que a história é contada de uma forma que me vai ficar na memória. Senti que houve um choque de culturas entre esta nossa cultura ocidental e a cultura japonesa, e por momentos senti-me um bocadinho chocada e muito irritada (que leu estes primeiros capítulos e não quis abraçar a Aiko??? Aii, tadinha!).





A parte portuguesa é a que estou a gostar menos porque sinto que é um autêntico despejar de informação sobre a política/filosofia desde os tempos gregos, informação essa que realmente é demasiada para uma pessoa, caso não esteja já por dentro do assunto, reter e que torna a parte dos Teixeiras um bocadito chatinha.


Eu sei que muita gente não gosta de José Rodrigues dos Santos e que nem considera os seus livros obras literárias mas eu cá não me importo com a forma como escreve (sejamos honestos, não é assim fantástica mas está longe de ser horrível)  e acho que conta a história de uma forma interessante e que passa a mensagem que quer e tem de passar.

Como disse, já houve algumas partes menos interessantes e até chatinhas (aquelas aulas do Baptista, oh God, salvem-me!) mas está a andar, e está a ganhar ritmo. Vamos lá a isto!

Estou curiosa para conhecer as outras duas famílias que faltam, especialmente a russa já que a história soviética do século XX é dos temas históricos que mais me apaixona, interessa e prende.

Já alguém leu este livro? Partilhem opiniões!

segunda-feira, 10 de outubro de 2016

10 vozes do The Voice Portugal

 The Voice Portugal é só assim o meu programa favorito da TV portuguesa.

Gosto de tudo, desde os júris e as suas brincadeiras, ao facto de não haver cá julgamentos por fulano levar a roupa x ou ter o cabelo y sendo que a minha coisa favorita mesmo é que só são escolhidos talentos: não há cá espaço para os crominhos que iam ao Ídolos para os 5 minutos de fama nem há cá espaço para os insultos gratuitos e humilhantes (que me fizeram perder o interesse nos Ídolos).

Ora bem, chegámos à ultima semana de provas cegas e aproximam-se as batalhas (aguenta, coração!!!) e como tenho muitos favoritos, achei por bem partilhar convosco estas 10 vozes maravilhosas que encantam e que, valha-me nossa senhora, têm mesmo que passar à próxima fase!!!!

[tudo na minha humilde opinião, claro, cada um tem a sua mas façam favor de a expressar na caixinha abaixo!]

Francisco Murta

****(mais depois do corte)****

sábado, 8 de outubro de 2016

Saturday 4 Show: Séries que quero mesmo mas mesmo ver!

Então, migos, lembram-se daquela rubrica que eu tinha criado em que vos ia apresentar listinhas com 4 séries por semana dependendo de um tema e que até estava a correr bem até eu procrastinar e essas coisas? Pois é, está de volta!

A Savannah deixou-me um comentário no meu blog inglês com muita motivação para eu continuar esta rubrica e vai que tinha um tempinho e fiz este post. Que linda menina que estou, hein?! Esta é uma boa altura para regressar com a rubrica até porque muitas séries vão voltar e como o Inverno também está à porta, já se sabe que é temporada de ver muitas séries debaixo de uma mantinha.

Esta semana, trago-vos 4 séries que quero muiiiito mas mesmo, mesmo, MESMO muito ver. Mas que ainda não vi porque... sei lá, coisas da vida. Por isso, aqui vai esta listinha para eu ir riscando os objectivos e vamos lá ver se até ao final do ano vejo pelo menos um episódio de cada.

As minhas 4 escolhas são:

1. Black Sails

(source)

A sério, pessoal, eu ando para ver esta série há imensoooooo tempo. Muitas das pessoas que eu sigo no tumblr, postam frequentemente sobre esta série e fico sempre com vontade ver. Penso que isto será sobre piratas??? Ou marinheiros??? Ou tipo Piratas das Caraíbas???? Não sei, devo estar errada mas esta continua a ser a grande prioridade de séries.

2. Stranger Things

Vai para ai uma histeria com Stranger Things que parece que é um spin-off de Game of Thrones a avaliar pelo popularismo, meu Deus. Mas pronto....cheira-me que isto será tipo Wayward Pines??? Não??? Bom, fico curiosa! Mais que não seja pelo mediatismo.

3. House of Cards

(source)

Então, quando eu trabalhava no meu ex-escritório havia um rapaz que tal como eu era mega fã de Sherlock e numa das dissertações sobre séries ele disse que eu tinha mesmo, mesmo, mesmo que ver House of Cards. Vi que existe muito pessoal com a opinião que uma pessoa não ode passar ao lado de House of Cards, e por isso, cá está na lista.

4. Night Manager

(source)

Nem sei se isto conta como série??? Será mini-série??? Anyways, nao interessa. Eu sei que quero muito ver isto pelo simples motivo de ter o Tom Hiddlestone que eu adoroooo. Eu nem sei porque é que ainda não vi, visto que o MOV já está a transmitir isto prai pela 3ª vez.

E vocês, pessoal? Quais são as séries que querem muito, muito ver mas que ainda não viram?

Na próxima semana vamos fazer o tema: Shows da nossa infância (ou seja, aquelas séries que dava quando éramos gaiatos [qualquer que seja a idade, vamos só dizer que infância vai até aos 18, sim?] e de que nos lembramos com saudades). Apareçam! Vai ser giro.... se eu também me lembrar. remember fondly)

sábado, 1 de outubro de 2016

Opiniões #9: Girl Against The Universe

Título: Girl Against The Universe
Autor: Paula Stokes
Páginas / Ano: 400 / 2016
Descrição aqui

4/5
O título deste post foi, até há algumas horas atrás, "Primeiras impressões" mas pois que me perdi no livro e o acabei e daí que as impressões já não são as primeiras. São as finais.

Este livro é delicioso, tão bom, tão lindo, tão, tão, tão... (e apesar do Zambujo cantar 'se é tão, tão, tão e tem, tem, tem, tem que ter algum defeito' não consigo arranjar nenhum defeito aqui!)

Eu peguei neste livrinho somente pela capa (sim, sou uma dessas pessoas que escolhe os livros pelas capas, oops) e como a panca do ténis bate forte cá dentro, nem pensei duas vezes em começar a lê-lo numa das viagens em transportes públicos que fiz esta semana e fiquei logo viciada! Não descansei enquanto não o acabei.


O livro, muito resumidamente, conta a história da Maguire, uma azarada a quem tudo acontece mas que parece sempre escapar ilesa apesar de todos à sua volta sofrerem mazelas, que anda em terapia para ultrapassar alguns dos desastres que sofreu na vida. É uma jovem de 16 anos que sofre de desordem pós-traumática e que conhece um jovem jogador de ténis que se sente perdido na vida. Vão ajudar-se mutuamente e criar uma bela amizade e quiçá (vulgo, obviamente) algo mais.

Este livro é fundamentalmente sobre os problemas psicológicos da Maguire, sempre tratados com muito humor mas de uma forma tão profunda que não podemos deixar de sentir compaixão pela personagem. É um livro leve e que se lê bem, sim, mas cuja mensagem está nas entrelinhas e que vá... confesso, no final me deixou com uma lagriminha ao canto do olho.

Amei a Maguire e o Jordy, de maiiiiis. Achei demasiada piada aos rituais da Maguire e a como ela tentava ligar tudo à sorte e ao azar para se sentir melhor! E o que mais gostei, é que foi uma coisa consistente ao longo de todo o livro em vez de ter sido deixado para segundo plano quando o romance se começou a desenrolar (como tantas vezes acontece nos livros).

E confesso que quando começam a dizer que o Jordy se sente muito cansado eu, com o síndrome de ser hipocondríaca, comecei logo a acender luzinhas género "POR FAVOR NÃO MORRAS!". Bolas, para este livro, pah! Falo mais disto em spoilers, sim??

Agora ide, pessoas, vão arranjar este livro (ainda não está traduzido para português! Esperemos que não demore porque é uma pérola) e devorem-no como eu. Vão adorar e dar umas boas gargalhadas, prometo.

Para citação, deixo esta:
"Sometimes terrible things happen and it's no one's fault. Sometimes we do the best we can but still have bad outcomes."


***************SPOILERS ABAIXO***************

sábado, 24 de setembro de 2016

I fell asleep amid the flowers


(apaixonar-mo-nos em Mr.Robot)

quarta-feira, 21 de setembro de 2016

Opiniões #8: The Summer Garden

Título: The Summer Garden
Autor: Paullina Simons
Páginas / Ano: 746 / 2006
Descrição aqui


AIIIIII *inserir rio de lágrimas* m'nha Nossa Senhoraaaaaa, que livro bom!

Assim para começar, vamos fazer um minuto de silêncio para lamentar eu ter chegado ao final desta trilogia. Eu bem disse que a ia devorar toda este ano, mas acho que foi mais rápido do que eu própria pensei (e sendo que li tudo em ebooks em inglês, já me aventurei em lojas para procurar as cópias destes 3 livros em português....mas este ainda não existe :( :( ).


Que dizer deste livro??? Simplesmente fascinante. Estou mesmo muito fã da Paullina Simons e de toda a sua escrita. E mais que isso, da Tatia e do Shura. *corações* *corações*

No inicio, presenciámos o dia a dia da Tatiana, Alexander e Anthony, os 3 na sua vidinha a crescer e a amar e a viajar pelos Estados Unidos e a principio até achei que isto iam ser 700 páginas de mimimis e de muito amor e que iamos chegar a meio do livro com 40 filhotes e 300 discussões por coisas banais (viva as coisas banais, nos outros livros metiam-se na guerra e quase morriam!) e esse tipo de coisas. Pensei que fosse só um livro em que a Paullina não queria largar este casalinho fofo e por isso nos presenciasse com alguma paz e amor.

HA HA HA HA, para mim.


ESTE LIVRO!!!! ESTE LIVRO!!!! Oh meu Deus.

Então quando a meio do livro começam os dramas existenciais do Alexander por a Tatia ser uma pessoa super evoluída e à frente do seu tempo e em que uma pessoa (vulgo, eu) só quer desatar à chapada ao Alex por ser tão bruta montes e parvalhão  por culpar a Tatia por todos os males da sua vidinha (I mean, só estás vivo por causa dela, migo), as emoções sobem-nos logo à flor da pele.

Mas depois... DEPOIS!!!!! Depois perdoamos o Alex porque PRONTO. Vou contar-vos abaixo, nos spoilers, sim??? Porque se ainda não lerem este baby, vão a correr pegar nele. E se já leram, vamos abaixo debater a decisão mais estúpida, idiota e que deixa uma pessoa com o coração nas mãos deste livro, sim???

Vou também adiantar que este livro tem muiiiiitas citações lindas e maravilhosas, mas esta foi a minha preferida (é possível que depois escreva um post com as minhas 10 citações favoritas):

"I’m getting off the boat at Coconut Grove. It’s six and you’re not on the dock. I finish up, and start walking home, thinking you’re tied up making dinner, and then I see you and Ant hurrying down the promenade. He is running and you’re running after him. You’re wearing a yellow dress. He jumps on me, and you stop shyly, and I say to you, come on, tadpole, show me what you got, and you laugh and run and jump into my arms. Such a good memory.
I love you, babe."



Leiam tudo o que eu penso sobre esta série:
Primeiras Impressões de "O Cavaleiro de Bronze" [livro 1]
Opinião Final de "O Cavaleiro de Bronze"
Citações Favoritas
Primeiras Impressões de "Tatiana and Alexander" [livro 2]
Primeiras Impressões de "The Summer Garden" [livro 3]


****************** SPOILERS ABAIXOOOOO****************** 

terça-feira, 13 de setembro de 2016

sexta-feira, 9 de setembro de 2016

Primeiras Linhas #6: The Summer Garden



Chegou este dia pelo qual muitos de nós (eu) esperávamos (esperava): comecei a ler o último livro da trilogia "Cavaleiro de Bronze" da Paullina Simons.

Pois, é. Vamos reflectir sobre esse facto.


Ora bem, este menino, chamado "The Summer Garden" (acho que não existe tradução portuguesa, ainda) é um livraço, de cerca de 700 e tal páginas e eu, a bem dizer, já não vou nas primeiras linhas, não. Vou a meio do livro, na página 300 e poucos.


 E que é que tenho a dizer nesta primeira opinião? AMO.


"Mas isso não é novidade, Cat, tu amas estes livros todos". É verdade, queridos, é verdade. Este livro não nos acrescenta muito à história depois dos outros dois, até ao momento não existe assim grande
acção mas sabem quando são escritores e amam tanto duas personagens que simplesmente têm que escrever mil momentos cutxi e mimimi? Pronto, é este livro.

Muito Alexander. Muita Tatiana. Muito Anthony.

Mas ai, ai, ai, ai, não seria eu se não me tivesse passado já umas quatrocentas vezes com o comportamento possessivo-obsessivo-machista-totalmente-desnecessário do Alex (desculpe lá oh senhor Barrigton-eu-tenho-o-Rei-na-barriga, mas tinhas sequer chegado a algum lado sem a Tatiana??? NÃO. Não, não terias....estarias morto algures E NOBODY WOULD CARE) qu é só muito LOL para quem leu os livros anteriores e sabe que ele não seria nada se não fosse a mulher mas ainda assim gosta de continuar a rebaixá-la.... Ai, my God. E depois aquele patrão dele. Por favor.



Homens machistas, sigam o caminho e ponham-se a andar por favor.

No final de contas fico só com pena da Tania, que é uma mulher muito à frente do seu tempo e com - perdoem-me a linguagem - uns tomates monumentais e portantos, incompreendida por todas as criaturas deste livro com a excepção do pequenino Anthony que é o único que a venera como ela merece.

Ah, e existem uns flashbacks com o Pasha (faca no coração) e com a Dasha (faca no coração) e com mais umas personagens duvidosas que podem totalmente passar à frente se não quiserem ler mas como sou masoquista leio estas linhas todas, mesmo.

Vamos lá ver quantos mais cabelos vou arrancar até ao final do livro!

Leiam tudo o que eu penso sobre esta série:
Primeiras Impressões de "O Cavaleiro de Bronze" [livro 1]
Opinião Final de "O Cavaleiro de Bronze"
Citações Favoritas
Primeiras Impressões de "Tatiana and Alexander" [livro 2]

segunda-feira, 5 de setembro de 2016

TAG: The Harry Potter Book TAG


Como sabem, comecei recentemente a ler Harry Potter!!!! *façamos uma dancinha durante uns momentos*  É verdade, já acabei de ler o 1º livro da saga e já comecei o segundo e apesar de não escrever uma opinião sobre estes livros (porque sinceramente, sinto que não tenho muito a dizer que sobre esta temática do Harry Potter já se disse muito e, como senti que o que vi dos filmes fez com que não tivesse nenhuma surpresa nos livros), vou fazer uma TAG!!!

Pois é. Vi esta TAG no canal da filipab0oks sendo que a TAG foi criada pela Accio Reviews. Pareceu-me uma TAG bem gira e diferente, por isso, vamos lá:

Expecto Patronum - a childhood book connected to good memories
                                       um livro de infância relacionado com boas memórias

O Pequenu. Acho que já referi este livro anteriormente mas lembro-me sempre de ser o livro que os meus pais me liam ao deitar.

Expelliarmus - a book that took you by surprise
um livro que te surpreendeu

O Felizmente Há Luar surpreendeu-me muiiiiiiitoooo. Não esperava nada de um livro de leitura obrigatória, principalmente depois da catástrofe que foi o Frei Luís de Sousa, mas quando li gostei tanto que o acabei numa só tarde.

Prior Incantato - The last book you read
O último livro que leste

Bom, por ironia, foi o Harry Potter e a Pedra Filosofal!
 
Alohamora - A book that introduced you to a genre you hadn't considered before
Um livro que te introduziu num genero em que nunca tinhas pensado

O Gone Girl deixou-me o bichinho dos policiais e dos thrillers e é um género que gosto de ler e que quero ler mais, mas tenho que ir com calma porque são livros que me deixam muito curiosa e me levam a deixar tudo de lado para os ler. 

Riddikulus - a funny book you've read
Um livro engraçado que tenhas lido

Ai, aqui vou deixar o meu livro preferido, o meu pick me up: o Wallbanger [acho que foi já traduzido para português weee]

 Sonorous - a book you think everyone should know about
Um livro que achas que todos deviam saber

O CAVALEIRO DE BRONZE DA PAULLINA SIMONS.
A COURT OF THRONS AND ROSES DA SARAH J. MAAS
WE WERE LIARS DA E.LOCKHART

Obliviate - a book or spoiler you would like to forget having read
Um livro ou spoiler que gostavas de te esquecer de ter lido

O final de Allegiant. O We Were Liars, que assim podia ler sempre sem saber o que ia acontecer.

Imperio - A book you had to read for school
Um livro que tive que ler para a escola

O Memorial do Convento de José Saramago. Obrigatório no 12ºano, e um dos únicos  que ficou no meu coração.

Crucio - a book that was painful to read
Um livro doloroso de ler

A trilogia do Cavaleiro de Bronze da Paullina Simons é doloroso de se ler porque, bolas, estamos sempre com o coração nas mãos.

Avada Kedavra - a book that could kill (interpret as you will)
Um livro que te podia matar

Os livros do Outlander são meninos para matar qualquer um, caso nos caiam em cima da moleirinha.


E se vos abri o apetite, ide responder a esta TAG que estão todos tagueados.

segunda-feira, 29 de agosto de 2016

That X-Factor #1

Pois é, peeps, lembram-se no ano passado, depois de ter papado uns quantos episódios do X-Factor UK e de ter jurado que nunca mais veria tal programa porque a qualidade já não era a mesma e meeh e coiso e tales?

Mentiiiii. A vocês. A mim própria. Enfim, sou um poço de desilusões no que a X-Factor toca mas não lhes consigo resistir.

Quando soube que a nova série começava este fim-de-semana, comecei a sentir-me em pulgas para ver os episódios e só não os vi mais cedo porque pensei que começava só no domingo (ontem, pronto) e teria que aguardar até hoje para os ver. Vai na volta, que começou sábado. (Para a semana já não me escapo a ver o episódio no domingo, dia em que começa outro dos meus programas favoritos: The Voice Portugal, weeee. Todos em redor da TV, sim?)

Mas bom, dois episódios depois já tenho coisinhas para mostrar. Sim, sim. Vou partilhar sempre os meus favoritos, após cada programa, ou as maiores catástrofes. Acho que será giro, no final, ver quem acompanhei desde o inicio e quais oram as paixões que deixei pelo caminho. Tentarei sempre ter 5 vídeos a mostrar.... esta semana, tenho 4 WOW WOW WOW e 1 "que é que acabei de ver???".

1. THE FAV


O Christian Burrows é definitivamente o meu favorito depois deste fim-de-semana. Ai, esta voz. E esta canção para o irmão. Kill me a little more, why don't you?!

2. THE OLDIE BUT GOLDIE



Ai mi gôd, mas que é istoooo???? Verdadeira prova que podemos ser um pedacinho de ouro a qualquer idade.

3. THE COMEBACK


Eu já sigo o The X-Factor UK há alguns aninhos mas não me recordo de ver esta cara. Eu sei que provavelmente ela passou bem despercebida neste episódio mas eu adorei-a (e também amo a canção). 

4. THE KELLY 2.0


QUE VOZEIRÃO!!! Amo tanto esta rapariguinha, aiiii. Vamos lá arrasar com eles todos e mandar esses bullys para onde eles merecem.


5. THE.... HONEY WHAT?



Bem, nem sei o que dizer. Este é o meu "qué istooooo?" do dia.... bem. Aprecio o troll que a Nicole+Sharon+Louis fizeram ao Simon e anseio por mais uma atuação da Honey G. (não... nao anseio nada, que é que estou a dizer!!!)


E por ai, que me dizem?

quarta-feira, 17 de agosto de 2016

5 Primeiras Frases Favoritas

Às quartas, temos o Top 5 Wednesday e hoje o tema é as nossas primeiras frases favoritas.

Eu cá, amante de citações, acho beleza em várias palavras mas existem algumas primeiras frases que me fazem espernear, dizem OMG OMG, e correr a ler o livro. Estas são as minhas escolhas da semana:

(como sempre este Top 5 Wednesday é gerido pela Sam e pela Lainey e podem saber tudo, aqui).



Blue Sargent had forgotten how many times she’d been told that she would kill her true love.
The Raven Boys, MaggieStiefvater


Today I’m five. I was four last night going to sleep in Wardrobe, but when I wake up in Bed in the dark I’m changed to five, abracadabra. Before that I was three, then two, then one, then zero. “Was I minus numbers?”
Room: A Novel by Emma Donoghue


Lolita, light of my life, fire of my loins. My sin, my soul. Lo-lee-ta: the tip of the tongue taking a trip of three steps down the palate to tap, at three, on the teeth. Lo. Lee. Ta. 
Lolita by Vladimir Nobokov


A skydiver,
arrogant in his ability to navigate the heavens, rejects his fragile state
and calls himself a god of the sky. 

Skygods by Sarah Latchaw


I could have warned her when she arrived in Russia, this petty German princess from Zerbst, a town no bigger than St. Petersburg’s Summer Garden, this frail girl who would become Catherine. 

The Winter Palace by Eva Stachnia

terça-feira, 16 de agosto de 2016

9 Livros sobre Desporto


Hoje no Top Ten Tuesday temos um tema quase, quase livre: "10 Books que se passam em...."!
Ora pois, eu contagiada pelos Jogos Olímpicos e sempre amante de desporto, cá me lanço eu em 10 livros em que o desporto é um grande tópico.

Acho que vai ser giro.

Este desafio, como sempre, pode ser encontrado no blogue da The Broke and The Bookish. Vão até lá e juntem-se à festa.

Se querem ler desporto, então escolham:


Rafa Nadal: My Story (Rafael Nadal)
Este livro é uma autobriografia sobre o tenista, Rafael Nadal, de quem sou grande fã.

The Hooker and the Hermit (LH Cosway & Penny Reid)
Aqui viajamos ao universo do Rugby, com muita comédia.

The Player and the Pixie (LH Cosway & Penny Reid)
O segundo volume da saga "Rugby", também ele muito engraçado.

Pucked (Helena Hunting)
Aqui, vamos até ao hoquei no gelo onde a temperatura sobeeeee.

You and Everything After (Ginger Scott)
Este livro junta o desporto à Esclerose Múltipla. Um livro que é uma viagem emocionante.

The Deal (Elle Kennedy)
Este livro presenteia-nos com o  Garret, um jogador de hockey.

Open (André Agassi)
Outra biografia de outro tenista, desta feita do André Agassi.

The Eight (Katherine Neville)
Este livro ainda não li, mas gira todo em torno de um jogo.... de xadrez.

The Longest Ride (Nicholas Sparks)
Neste livro, o protagonista masculino é bull rider. Esta história até já foi adaptada ao cinema, orem espreitem:

segunda-feira, 15 de agosto de 2016

Eu e o Harry Potter, o Harry Potter e eu.

(ou uma rúbrica que pode muito bem ser de opinião)

Se me seguem no Goodreads, então já sabem da grande novidade. Eu, euzinha, menina Cat, saí deste clube onde estava inserida havia anos, longos e nada penosos mas muito pobres (percebo agora), este clube onde ainda existem alguns espécimes que qualquer dia verão a luz, como eu, (ou não) e o deixarão.

Refiro-me, pois claro, ao clube: "Nunca li o Harry Potter, shame on me."

O primeiro livro saiu em 1999. Já lá vão uns aninhos. Cá por casa, os meus pais devoraram cada página e ficando de barriguinha cheia foram comprando um após outro volumes da saga até a série terminar (ainda lhes falta este último, mas algo me diz que desta feita quem o vai comprar...vou ser eu!)

É que eu, euzinha, vossa anfitriã e nada afoita a sagas e livros com demasiada hype, entusiasmei-me e fui à estante buscar o "Harry Potter e a Pedra Filosofal"!

A verdade é que estou rendida. A simplicidade da escrita, o giro do Hagrid e visitar aquele universo que durante tantos anos segui através dos filmes (sim, pior que não ter lido os livros: eu era a criatura que via os filmes e os achava um máximo, lançado olhares confusos a quem dizia "nada a ver com o livro"). O primeiro volume já vai a meio e tem sido o meu companheiro de banhos de sol ao final de tarde.

Acho que não há muito mais a dizer sobre este livro. Afinal só o nome fala por si. Mas achei por bem informar-vos deste pequeno passo para a humanidade, mas grande passo para a je, que sempre achei que o Harry Potter seria lido por mim num futuro bem longínquo.

Vá, já podem beber uma pinguinha à minha saúde, ou atirar confettis ou assim.

quinta-feira, 11 de agosto de 2016

Opiniões #7: A Court of Thorns and Roses

Título: A Court of Thorns and Roses
Autora: Sarah J. Maas
Ano / Páginas: 2015 /380
Descrição aqui



Hoje venho falar-vos de um livro lindo, espectacular, maravilhoso e encantador!!! Um livro que li depois do flop que foi para mim o The Raven Boys e que me fez ir ao céu e voltar.

Gostei mesmo muito.

Falo de "A Court of Thorns and Roses" da Sarah J. Maas (tenho quase a certeza de que este livro ainda não foi lançado aqui no nosso cantinho à beira-mar plantado, mas quando for penso que se chamará "Uma Corte de Espinhos e Rosas", como acontece na versão brasileira).

Pessoal, que LIVRO!! Sério. Para vos levantar um pouquinho o veu desta história sem vos estragar esta aventura com spoilers, posso dizer-vos que este livro é uma adaptação da história de "A Bela e o Monstro", este grande clássico da Disney com que a maior parte de nós cresceu. Confesso que nunca fui muito fã d' "A Bela e o Monstro" mas, bolas.... este livro foi qualquer coisa!


A história centra-se na Feyre, comum mortal, e no seu encontro de primeiro grau com um mundo de fantasia, com muitas fadas e outras criaturas sobrenaturais, em especial com o Tamlin. A Feyre, ao contrário da Belle, não sabe ler mas pinta muito bem e é uma eximia caçadora, até porque sempre foi ela que teve que sustentar a família. Mas eis que caça um amigo do Tamlin. Pois, já estão a ver a alhada em que se meteu, certo? (não considero esta parte spoiler visto que acontece tudo no 1º capítulo).

Posso dizer-nos que peguei no livro porque ia no metro aborrecida sem nada para ler e até o larguei quando cheguei a casa, mas deu-se a circunstância que ia ter um dia com entrevistas e esperas nas Finanças e DEVOREI este livro em poucas horas. Aliás, corri a Bertrand e a FNAC a ver se havia esta preciosidade em versão física (sniff, ainda não, ainda não) porque queria comprá-lo e fazer a coleção. Vá lá, pessoal, Topseller, Bertrand, Leya ou até mesmo vocês da Planeta.... para quando esta edição??

Eu quero falar mais das personagens, do Tamlin, da Feyre, do Lucien e do Rhys mas será muiiiiito spoiler para vocês, que ainda não leram esta relíquia, por isso, ide, ide. Vão comprar este livrinho, mesmo em inglês, em ebook, ou como preferirem mas vão. Não se vão arrepender.

(Palavra de pessoa que não costuma gostar de fantasia!)

Abaixo do corte, já sabem, spoilers. Não digam que não vos avisei :)

E como citação, aqui vos deixo:
"I was as unburdened as a piece of dandelion fluff, and he was the wind that stirred me about the world."


sexta-feira, 5 de agosto de 2016

citações #1

"Há esperanças que é loucura ter. 
Pois eu digo-te que se não fossem essas já eu teria desistido da vida."

terça-feira, 2 de agosto de 2016

Opiniões #6: The Raven Boys

Título: Os Garotos Corvos
Autora: Maggie Stiefvater
Ano / Páginas: 2012 / 409
Descrição aqui

Segundo os meus cálculos, já desde Maio que não faço uma review e não consigo bem explicar porquê, mas acho que tem lido livros assim maus e dos quais desisti (alerta, alerta, estou a falar de Slammed da Colleen Hoover) maaaaas finalmente voltei!!


E vou falar de The Raven Boys da Maggie Stiefvater, que parece mesmo ser o livro do momento. Na verdade, eu já sabia que este livro ia incluir aspectos místicos, magia e coisas supernaturais e por este facto estava reticente em ler porque eu não sou muito virada para estas temáticas mas este livro teve tanta hype, tanto comentário, tanto "tens que ler, a sério!!!" que lá fui eu, qual cordeiro no rebanho, ler o livro.

E..... pois. Não percebi a hype.



(Peço desde já desculpa a todos os fãs da série).

Este livro conta a história da Blue Sargent, que vive com a mãe e as tias (ou amigas da mãe???) que são videntes. A Blue é a única que não consegue ter este dom, mas tem outro dom: o de amplificar todas as sensações sobrenaturais. Com a história da Blue, vai cruzar-se a história de 4 rapazes, os Raven Boys, que estão numa senda por descobrir uma linha de energia. E mais não direi que acho que entrará na área dos spoilers.

Então, perguntam vocês, qual é que foi o problema deste livro?? Pois bem, para mim, foi demasiado descritivo. E não me percebam mal, eu adoro ler e até gosto de descrições mas este livro foi muiiiiito chato! Já ouvi dizer que o inicio é pior e que depois se torna interessante, mas sinceramente para mim o inicio foi a melhor parte... Claro, quando se entra na trama propriamente dita, existem coisas interessantes e eu li até ao fim pois queria saber o que se passava mas acho que ficaram muitas coisas por responder!

Afinal, que é feito do Glendower? E quem é o pai da Blue? E não ia morrer alguém?

Senti que foi um livro redutor. Que se propôs a muito mas que concretizou pouco. Para além de que alguns dos plot twists não o foram para mim, porque já tinha chegado a essa conclusão (coff, Noah, coff).

E eu gostei das personagens, a sério que sim: amei a Blue e os seus desatinos com o Gansey (não me venham cá com tretas que ela tem que ficar com o Adam, fachavor!!!), gostei muito do Adam e até do Ronan, apesar de ele ser meio passado da cabeça. Gostei até das mulheres de 300 Fox Way, a casa da Blue.

No fundo, talvez não saiba bem porque é que este livro não foi WOW para mim. Se calhar tinha demasiadas expectativas que não foram correspondidas ou se calhar não é mesmo o meu género. Ainda assim, quero ler o próximo e ver se primeiro se estranha e se depois se entranha ou se passo mesmo esta saga.

(Acrescento também que alguém tem que pegar nisto e fazer uma série de TV! Isso sim, acho que ia ser bem bacano).

E para citação do livro, cá fica:

"Blue tried not to look at Gansey's boat shoes; she felt better about him as a person if she pretended he wasn't wearing them."

sexta-feira, 29 de julho de 2016

Look who's back, back again...


Vikings are back,
Tell a friend!

Já assumi várias vezes que esta é uma das minhas séries favoritas, por isso já estou em pulgas para que recomece a dar.

(E nem vou falar sobre o beijo da Lagertha e do Ragnar, aka os meus paizinhos, mas já fiz uma mini dance party!)

quarta-feira, 27 de julho de 2016

7 coisas que quis aprender depois de ler livros



Esta semana no Top Ten Tuesday (que vos trago um dia mais tarde) falámos sobre coisas que quisemos aprender ou descobrir depois de lermos um livro. E quem é que já não sentiu aquela urgência de aprender a coisa mais random depois de ver o seu personagem preferido a fazê-lo??

Sendo eu a Senhorita super-excited-e-autodidata já me senti incentivada a tentar coisas novas montes de vezes, e depois de fazer muitas pesquisas encorajadas por livros, sinto, também, que acumulei muita informação (in)útil. Esta é a minha lista:



(Como sempre, Top Ten Tuesday é cortesia do blog The Broke and The Bookish)

1. Duas Irmãs, Um Rei de Philippa Gregory, fez com que eu quisesse aprender tudo e mais alguma coisinha sobre a família Tudor. Depois deste livro, acabei por ler mais livros sobre os Tudors e a fazer muitas pesquisas sobre a Ana Bolena e sobre o Henrique VII e, se ao inicio não sabia nem sequer situá-los no tempo, agora sinto-me capaz de ter grandes conversas sobre estes meninos.

2. The Bronze Horseman por Paullina Simons, fez com que eu quisesse falar com pessoas mais velhas para saber se as condições de vida durante guerras eram realmente como descritas neste livro. Quando estudava, a Revolução Soviética foi um dos pontos que mais me interessou então este livro fez-me despoletar ainda mais a minha curiosidade por esse período histórico. (Leiam a minha review sobre o The Bronze Horseman aqui.).

3. Nuts por Alice Clayton, fez com que eu quisesse aprender a cozinhar. Algo que nuncaaaa vai acontecer, posso já adiantar-vos. Na realidade, este desejo durou cerca de 0.05 segundos porque eu odeio cozinhar e não tenho jeito nenhum para a cozinha. E também não tenho qualquer interesse. Obrigada pela motivação, Alice.

4. Outlander por Diana Gabaldon, fez com que eu quisesse ser enfermeira. Okay, óbvio que este foi outro daqueles desejos de 0.05 segundos porque eu acho que não teria o mínimo jeito e estou numa área completamente diferente mas a Claire é uma personagem tão inspiradora que faz com que nós queiramos ser também.

5. Quando Éramos Mentirosos por E. Lockhart, fez com que eu quisesse escrever poesia. Eu sei que muitas pessoas não gostaram deste livro mas eu gostei, e mais que gostar da trama, o que me cativou foi mesmo a escrita. Assim uma prosa poética que me derreteu um bocadinho. Fez com que eu quisesse abrir um documento word e trabalhar na minha escrita. (Leiam a minha review sobre Quando Éramos Mentirosos aqui)

6. Versailles, o programa de tv, fez com que eu quisesse ler The Sun King by Nancy Mitford. Eu sei, aqui estou a fazer ao contrário mas sinceramente eu sempre tive curiosidade sobre Louis XIV mas depois de ver esta série comecei a pesquisar mais e mais e mais. 

7. The Hooker and the Hermit by LH Cosway and Penny Reid, fez com que eu quisesse prestar mais atenção ao blog. Acho que até agora está tudo a correr bem....certo??? (Leiam a minha review sobre The Hooker and The Hermit aqui)

quinta-feira, 21 de julho de 2016

Canção do fim-de-semana


Eu sei que ainda é só quinta-feira, mas podemos já a afinar as vozes de fim de semana, certo?

domingo, 3 de julho de 2016

E a Serena Williams? E os mais bizarros de sempre?

Aproxima-se o final de Junho e o inicio de Julho e existe sempre um evento marcante no mundo do ténis: Wimbledon!

É o terceiro Grand Slam e é aquele que a maior parte de nós, entusiastas do ténis, olha assim com mais carinho. Porque é o único em relva (a temporada mais pequena de todas), porque é um espaço maravilhoso, porque nos reserva sempre surpresas e pelas suas tradições infindáveis e fofinhas.

Desde os morangos com chantilly ao champanhe, ao facto de o campeão em título ser sempre o primeiro a jogar no court central, a tradição estende-se à roupa: a indumentária deve ser maioritariamente branca! E pronto, isto não dá assim para grandes criatividades e os tenistas acabam por parecer todos uns feijõezinhos (brancos!!!) por estarem todos de igual.

Ao longo dos anos já vimos muita coisa bizarra e vou falar-vos de toda a bizarrice (alguém falou em Bethany Mattek Sanders???) neste post, mas vou começar pela rainha das Rainhas, aquela que brilha em qualquer fatiota e que este ano se apresenta lindona e fabulosissima em Wimbledon: a Serena Williams!


Que vestinho tão simples mas tãooo lindo. Que bom trabalho da Nike! Diga-se já que à Serena qualquer coisa que lhe fica bem....cheira-me que é fatiota para reaver título!

Mas oh Cat, dizem vocês, não prometeste cenas bizarras?
Sim, respondo eu, prometi! Sigam-me abaixo do corte e vejam as roupas mais ??? que por Wimbledon já passaram!


sexta-feira, 1 de julho de 2016

TAG: The Music TAG

E como música é vida e TAGs são do que mais gosto, hoje vou fazer uma TAG de música!! É isso mesmo, nada de livros, só musiquinha para dar-mos um pézinho de dança quando o sol vai lá no alto e não nos conseguirmos mexer.

(Assim aquelas horas entre o meio-dia e as duas da tarde em que só nos apetece esparramar-nos no sitio mais friozinho que possa existir. tipo...contra a porta do frigorífico)

Vi esta TAG no blog Wonderless Reviews e achei um piadão. Então vamos lá:

The Rules:


  • List the first 10 songs that come on shuffle (no skipsies).
  • Then write your favorite lyric (or verse) from each song.
  • Tag/link others

The Girl 
City and Colour



"If you were to leave and  fulfill someone else's dreams,  I think I might totally be lost"


Satellites
James Blunt


"For all we know life's just to dream,  Who the hell knows what it means?  Stop the world and sing with me"


The One
Kodaline


"‘Cause you make my heart feel like it’s summer when the rain is pouring down."


 Lisboa Menina e Moça
Carlos do Carmo (ou a trupe da Comercial)


"Cidade a ponto luz bordada, toalha à beira-mar estendida, Lisboa menina e moça, amada, cidade mulher da minha vida."

 I Hate
Passenger 


"Yeah, I love and I live and I have love to give but sometimes all you can do is hate."


 Count on Me
Bruno Mars


"If you ever find yourself stuck in the middle of the sea , I'll sail the world to find you"

What's Love Got to Do With It
Tina Turner

  
"What's love got to do, got to do with it
 Who needs a heart when a heart can be broken"


 Get Out While You Can
James Bay 

"Long way to get away, play it like a grand slam, This is no encore, we have only just begun"


I Dreamed a Dream
Les Miserables - Lea Salonga

 
"I dreamed a dream in time gone by, when hope was high and life worth living"


(ai my god, que este final com a Lea Salonga, rainha dos musicais, até me deixa emocionada) mas vamos lá a taggeamentos. Taggo 3 meninas, que gostam muiiiito de música e que acho que se vão divertir a fazer isto:

Savannah @ The Book Prophet